JuPat

Nascida em Ribeirão Preto, mas piracicabana de coração, JuPat encontrou na música
sua forma de garantir e sustentar sua existência enquanto mulher trans refletindo e
narrando suas experiências da vida urbana contemporânea.

Em 2018, a artista iniciou sua carreira solo apresentando “Transe”. O single,
acompanhado de videoclipe, antecipava a estreia de seu primeiro álbum, “Toda Mulher
Nasce Chovendo”. Produzido por Rasec, com alquimia final de Pipo Pegoraro, álbum
tem o peso do rap, as experimentações transcendentais do trip-hop e as divagações
de um corpo netuniano em melancolia tropical. “Toda Mulher Nasce Chovendo” vem
da água, da fluidez, da libertação emocional, do misticismo, do desejo de alcançar o
divino. No fim, mais uma mulher nasceu.

Em 2019, lançou o single “Flash”, um mergulho em águas jamaicanas e em 2020,
abrindo caminhos para seus novos rumos musicais, a artista apresenta o single da
onírica, nostálgica e futurista “Acordar”, desenhando a vida e morte, verbalizando
ainda suas desconstruções sonoras.

Se antes era conhecida por partir da estética encontrada no rap, agora começa suas
outras experimentações em um universo mais solto e livre, ouvindo – como sempre –
o que as camadas mais profundas do seu corpo querem dizer e cantar.
JuPat antecipou seu segundo disco autoral com o lançamento do single acompanhado
de vídeoclipe “Derreter” com participação de Tamy Tectoniza, sua parceira desse
trabalho e também da vida – onde as artistas partem de lugares bem distantes e
terminam em uma transa entre o rap, trip hop, electropop, dream pop e rock.

Depois de defender seu nascimento, recriando e enfrentando o mundo como artista e
mulher trans, lança, em agosto de 2020, o álbum “Nadando com Peixes que Voam”,
transcendendo a exploração de suas novas camadas, investigando as belezas das
surrealidades rotineiras, fazendo seu convite à crença do absurdo e se entregando ao
encontro da poesia que mora nessas contradições naturais. Incluindo a história de
peixes que voam e de corpos trans sujeitos ao amor. Porque mulheres trans não
merecem ser ouvidas apenas quando estão militando ou sendo assassinadas, mas
também têm direito ao espaço das sutilezas.

Sesc Piracicaba, Centro Cultural São Paulo, Fatiado Discos, CEU Navegantes, Virada
Feminista de Jundiaí, Festival Curau são alguns dos espaços que já receberam a
cantora.

Discografía:
Transe -Single- (2018)
https://bit.ly/2W806t2
Toda Mulher Nasce Chovendo (2018)
https://goo.gl/43eDcg
Flash -Single- (2019)
https://youtu.be/HkgZIeheaz0
Acordar -Single- (2020)
https://youtu.be/HkgZIeheaz0
Derreter -Single- (2020)
https://youtu.be/HkgZIeheaz0
Nadando com Peixes que Voam (2020)
https://youtu.be/HADAbCZY7CA

Redes:
Instagram:
@jupat.jupat
YouTube:
https://bit.ly/3mhbvS0

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *